domingo, 31 de dezembro de 2017

Homens imprudentemente poéticos

O segundo livro com o qual termino 2017 muito bem de leituras é de Valter Hugo Mãe: Homens imprudentemente poéticos.

É a história. É a escrita. São os sentidos. Com Valter Hugo Mãe acrescem novos sentidos. Um sentido bem que pode ser uma parte materializada de uma qualquer dimensão incognoscível da realidade. É a reconfiguração das dimensões no que descobrimos ser uma realidade plástica, informe, elástica. Uma nova forma de ligação entre a realidade, o espaço e os sentidos.
E uma nova forma de.
Explorar.
Imaginar.
Inventar.
Construir.
Sentir.
Um novo significado das palavras.
É a prosa poética.

Leiam este livro e questionar-se-ão sobre o modo como os vossos sentidos interpretam as coisas do mundo.

Alguns excertos em Homens imprudentemente poéticos, de Valter Hugo Mãe, Porto Editora, 2016:

"a felicidade está na atenção a um detalhe. Como o resto se ausentasse para admitir a força de um instante perfeito."

"amar é uma proibição de estar só."

"A beleza carece de nenhum motivo."

"Num abraço, pensava, as pessoas deixavam de se poder ver. Como se, num abraço, fosse indiferente quem estava mas importasse apenas a convicção com que era dado."

"Matsu nunca prometera parar de chorar. Acalmara, mas sabia bem que a felicidade se compunha da soma de muita tristeza também."

"E ela continha sempre o choro para se sentir perto de alguma coisa, ao invés de muito longe de outra."

"Ela [Matsu que é cega] sabia apenas da beleza das palavras porque era com elas que se explicava o mundo. Chegava a gostar das coisas cujos nomes soassem a bonitos. Julgava que os nomes acusavam a propriedade do que queriam significar (..) Ainda assim, guardava da beleza uma ideia sobretudo discursiva."

Sinopse:
Num Japão antigo o artesão Itaro e o oleiro Saburo vivem uma vizinhança inimiga que, em avanços e recuos, lhes muda as prioridades e, sobretudo, a capacidade de se manterem boa gente.
A inimizade, contudo, é coisa pequena diante da miséria comum e do destino.
Conscientes da exuberância da natureza e da falha da sorte, o homem que faz leques e o homem que faz taças medem a sensatez e, sobretudo, os modos incondicionais de amarem suas distintas mulheres.


sábado, 30 de dezembro de 2017

Uma menina está perdida no seu século à procura do pai


Posso dizer que em termos de leituras termino muito bem o ano. Melhor seria difícil, muito difícil.
A primeira de duas leituras: Gonçalo M. Tavares, Uma menina está perdida no seu século à procura do pai.
A ilusão é, por vezes, uma boa guia. Hanna é uma menina com trissomia 21. Marius encontra Hanna na rua. Sozinha. Ninguém. Procuram o pai. Ninguém.
Convenci-me. Convenci-me que o livro era mesmo sobre a menina. Sobre essa condição de deficiência. Sobre encontrar seu pai. É fácil. Muito fácil pensá-lo. Mas não. Lemos o livro. Conhecemos Marius. Conhecemos Hanna. Conhecemos outros.
E.
No fim.
Muito me posso enganar, mas o livro é sobre Marius, aquele que nos representa. É sobre nós, os normais, ou assim pensamos.
Sempre disse que um bom livro nos faz pensar. Certamente este é um deles.
 
Alguns excertos de texto em Uma menina está perdida no seu século à procura do pai, Porto Editora, 2014, Gonçalo M. Tavares:

Hanna tinha uma pequena caixa. (...) Marius abriu a caixa.
Eram fichas. Em cada uma delas no topo a indicação, numa letra minúscula, APRENDIZAGEM DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA.
Cada ficha tinha um tópico e, depois, um conjunto de passos, actividades ou questões (...)
«HIGIENE», «6 - Limpar a baba, 7 - Lavar as mãos, 8 - Lavar a cara; «Saúde e Segurança», «1 - INDICAR A PARTE DO CORPO QUE DOÍ». Marius pensou em como isto era difícil, não apenas para um deficiente mental, mas para todos os seres humanos, todos os seres vivos - «indicar a parte do corpo que doí». Naquele momento, por exemplo, havia nele, Marius, uma dor não física, um claro incómodo;"

"Numa das fichas lia-se «Meta B: andar na rua», pois sim, eis que ali estava, Hanna, sozinha na rua. O primeiro passo: «ANDAR PELOS PASSEIOS»

«12 - DESENROSCAR TAMPAS DE FRASCOS»

«2 - SORRIR OU VOCALIZAR EM RESPOSTA À PRESENÇA DE UMA PESSOA OU SITUAÇÃO AGRADÁVEL»

« RECONHECER SINAIS INDICADORES DE PERIGO»

«ORIENTAR-SE ESPACIAL E TEMPORARIAMENTE»

"Marius sentia uma curiosidade enorme, sentia que aquele curso também era para ele."

Fried:
“– Fazemos cartazes que depois colamos nas paredes (…) Se fizéssemos um cálculo do ritmo a que antes se caminhava pelas cidades e comparássemos com a velocidade actual concluiríamos que as pernas acompanham a evolução técnica: está tudo mais rápido e as pernas não são excepção; e é por causa desta velocidade que os cartazes são indispensáveis, e bons cartazes, boas imagens, boas frases, são elas que obrigam a parar, a parar durante algum tempo (…)"

"(…) a memória está mais ligada ao bom observador no espaço do que ao bom observador no tempo, o ritmo do passo aumentou muito mas a imobilidade é que é importante. Não podemos observar enquanto fugimos."
 
«HIGIENE, MOTRICIDADE FINA, REAGIR A ESTÍMULOS TÁCTILO-CINESTÉSICOS». Eu por vezes ainda não sei isto, disse Fried: a melhor maneira de reagir a um soco é outro soco, outras vezes é fingir que não se tem força para responder, «ADQUIRIR HÁBITOS À MESA, REAGIR A INSTRUÇÕES GESTUAIS E VERBAIS, REAGIR À SEXUALIDADE DE MODO SOCIALMENTE ACEITÁVEL, REALIZAR TRABALHOS COM MATÉRIAS METÁLICAS, TRATAR DE ANIMAIS,  e esta esta a seguir, sim, é difícil, quantos de nós conseguiremos?; e Fried leu: «OCUPAR OS SEUS TEMPOS LIVRES DE MANEIRA ADEQUADA», você consegue fazer isto, perguntou-me Fried, e eu sorri com a pergunta, e sim, claro, aquele método de aprendizagem e educação de pessoas com deficiência mental fazia-me pensar em quantos de nós não teriam um qualquer problema, bem mais leve, é certo, mas quantos de nós, por exemplo, saberíamos «OCUPAR OS TEMPOS LIVRES DE MANEIRA ADEQUADA»?

“Avançámos. Todos os quartos tinham uma placa metálica, ligeiramente acima do olho de vigia, com o nome (…) o nosso era AUSCHWITZ.”
“(…) Marius abre a porta, roda a maçaneta para a esquerda, um olhar rápido nas últimas letras WITZ (..)

*nota:    Traduzido do alemão "witz" significa "piada".

quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

Talvez uma mensagem de Natal

A última tira de fita-cola. Depois de colocados os presentes junto à árvore de Natal ela pára. Um leve suspiro. Sentada no sofá observa a árvore de Natal e lembra-se que nunca pensou quem terá inventado o Pai Natal. Mas agora o mais importante é descansar porque o que lá vem, não é brincadeira. Amanhã, todo um dia para preparar a ceia da consoada, das entradas às sobremesas. Que sorte a dela, esta de mulher. A dela e a da filha, que tem de ajudar.
Para ele as coisas parecem bem mais simples. O carro dela tem qualquer coisa que não está bem. Ele olha, mexe, mas não sabe. Amanhã ele vai ao mecânico. Que sorte a dele, esta de homem. A dele e a do filho, que tem de ajudar.
Mas tudo bem, o dia passou, a consoada chegou. Ansiosamente, os filhos, "Já podemos abrir as prendas?", "Não, porque ainda não é meia noite". Mais cinco minutos, "Já podemos abrir as prendas?", "Têm de esperar mais um pouco!". E consoada adentro lá se vão cortando mais umas fatias de bolo, bebendo um copo ou outro para digestivo, sacudindo as camadas de açúcar dos fritos. "Já podemos abrir as prendas?"
Meia noite. Os pequeninos, eléctricos. São as prendas dos pais, dos avós, dos tios e tias. As prendas não se desembrulham, rasgam-se. A filha recebe um conjunto de utensílios de cozinha, duas bonecas, uma com um menino doente para cuidar e a outra uma princesa, mais um puzzle de princesas, e, claro, um conjunto cor-de-rosa a simular o lar de uma família muito feliz, com todos os utensílios úteis e necessários para a limpeza da casa. O filho recebe um conjunto de carros, garagem e lavagem, dois super-heróis, mais um puzzle de super heróis, e um conjunto  tropas, aviões, barcos de guerra.
O menino olha para as prendas da mana, triste. Pega na boneca doente. "Não, isso não é para ti, é para a mana", diz a mãe, "os meninos não brincam com bonecas".
A menina e o menino. Brincam. Com os carros, com as tropas. O pai, "Então, não queres brincar com as tuas bonecas? Olha aqui estas coisas da cozinha tão giras?! As meninas brincam com bonecas, não brincam com guerreiros, isso é para meninos!"
E, Natal após Natal, contribuímos todos mais um bocadinho para as desigualdades de género, que quase todos os dias nos queixamos. Somos nós que mostramos e que dizemos às crianças o que se espera delas. A culpa não é só da sociedade, é nossa. Se oferecemos conjuntos de cozinha a meninas não nos podemos admirar que elas interiorizem que isso é o certo. Se dizemos aos meninos que as bonecas são para meninas não nos podemos queixar que eles não aprendam a cuidar dos outros. Os brinquedos são dos maiores instrumentos de reprodução de desigualdades de género, de mentalidades, de ambições, de expectativas. Se dizemos aos meninos para brincar com ferramentas, não nos podemos admirar que queiram ser construtores ou engenheiros, se lhes damos uma bola enquanto a menina foi com a mãe às compras, não nos podemos admirar que os homens só pensem em bola e as mulheres a gerir a despensa. Se dizemos às meninas para vestir e cuidar de bonecas não nos podemos queixar que quando crescerem e tiverem os seus filhos, teus netos, são as mães a irem com os filhos ao médico. Se damos princesas às meninas e super heróis aos meninos não se admirem que as raparigas sejam julgadas pela sua beleza e os rapazes pelo domínio e poder.
Até aos três anos os brinquedos são praticamente unisexo. A partir dessa idade os fabricantes de brinquedos sabem que as crianças desenvolvem as suas percepções sobre o mundo, iniciando a sua socialização. Os fabricantes apenas exploram as nossas ideias sobre o mundo, eles sabem que somos nós a distinguir meninos de meninas e vendem-nos o que nós queremos comprar. Há diferenças biológicas e psicológicas entre homens e mulheres, mas também há diferenças sociais e aqui a culpa também é nossa, tua e minha. Não nos podemos só queixar.
Os brinquedos que damos às crianças são para elas um ensinamento. Um ensinamento do que existem dois mundos, um mundo para cada um deles.
Feliz Natal.

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Ana Karenina

Depois da fantasia ficcional aventurei-me no realismo literário, puro e duro! Nada mais nada menos, pelo que dizem os entendidos, do que um dos grandes clássicos da literatura. Anteriormente eu já tinha tentado ler o Guerra e Paz do Tolstoi, mas desisti pela que, na altura, me pareceu uma excessiva descrição conciliada a uma prolongada inação. Então, porque não tentar agora com Ana Karenina?
Se, na verdade, eu estava à espera de encontrar, em Ana, daquelas personagens míticas, com a leitura percebi que não. Não. Para mim Ana não é aquela personagem mítica. Mas não se enganem! A verdade é que o livro é recheado de grandes personagens, somente me parecem todas, igualmente niveladas, por cima. E assim sendo, agora sei que boa parte dos leitores também se questiona porque se intitula esta obra de Ana Karenina. Por exemplo, não é a personagem de Anna que está presente do primeiro ao último capítulo do livro mas a de Levine! Provavelmente, todos os que leram este livro têm a sua teoria, pois bem, a minha é a seguinte. Existirão dois motivos principais. 
O primeiro é que a linha narrativa, e assim o fado de todas as personagens, mesmo o de Levine e o de Kitty, apresenta eixo condutor a partir da relação entre Ana e Vronski. A segunda é que Ana, de todas as personagens, é a única que, em sentido factual,  contraria o seu destino social. Por outro lado, se alguém argumentar que Levine é a personagem principal, talvez o autor queria ter desviado as atenções dele mesmo, pois tanto desconfiei da sua proximidade com a biografia do escritor, como, também, bem se sabe que a sua personagem não é daquelas heróicas mas mais daquelas discretas.
De resto, se querem ler um livro com personagens tão reais quanto tu e eu, com dilemas morais e psicológicos tão próximos dos nossos, enquadrados num contexto social, ainda tão próximo do nosso, este livro revelará muita coisa a muita gente. Desde os conflitos das relações de género, às relações familiares e ao papel da família, às relações entre classes sociais, à dicotomia entre vida na cidade e vida no campo, e mesmo a discussão sobre religião, são tudo questões que nos dizem respeito. Por alguma razão este é um clássico. Se se querem imaginar na Rússia czarista da segunda metade do século XIX, entre os cenários bucólicos da imensa vastidão russa, e os cenários aristocráticos de São Petersburgo e de Moscovo, terão uma desilusão. A escrita é tão simples e minuciosa que o difícil mesmo é não parecer real!

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Cem Anos de Solidão

A primeira tentativa de ler Cem Anos de Solidão, Gabriel Garcia Márquez, esbarrou na minha preferência por estórias mais centradas em contextos reais e menos em possibilidades imaginárias, e irreais, da existência humana. Hoje, passados alguns anos, e menos sonso nesta onda das leituras, realizei nova tentativa. E desta nem pestanejei. Porque afinal eu estava errado. O pequeno mundo de Macondo, Melquíades, a família Buendía (nos seus emaranhados de Arcadios, Aurelianos, Úrsulas, Amarantas e Remédios), Pilar Ternera, outras personagens, podem ter o seu grau de fantasia mas em nada se afastam do mundo social. Pelo contrário, pareceu-me mais uma estratégia, muito bem sucedida, para descrever parte da nossa sociedade, da nossa humanização e desumanização. E assim levo uma chapada na cara. É que a fantasia (mais abrangente que a ficção) tem um poder extraordinário para contrastar com a realidade, e se não exagerada, ou não tomada num sentido utópico, apenas nos instiga a reflectir sobre o que pensamos serem a verdade e a realidade. No fundo tem a capacidade de nos expor ao nosso sentido crítico. E, talvez, o maior mérito de Gabriel Garcia Márquez, será o de impor-nos brilhantes revelações e conclusões, sem frases feitas, nem, muito menos, citações memoráveis e inolvidáveis. É assim que, sem o publicitar, ao longo do romance nos questionamos sobre a civilização, o progresso, o desenvolvimento, as relações humanas, as relações sociais, o valor de uma vida, e, até, ou sem dúvida?, o tempo.
E um dos indicadores, na minha opinião, de este ser um grande livro, é que, muito provavelmente, não esquecerei as suas personagens, assim como não esqueci, dito de cor, Jean Valjean, Javert, Thénardier, Éponine, Coseta, Fantine, os amigos do clube ABC, Marius...
E a partir de hoje amplio as minhas opções de leituras à fantasia crítica. E até já estou a pensar em algumas hipóteses... As viagens de Gulliver???

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Ainda o Espírito das Nações

Tornou-se comum nas conversas entre amigos eu tentar convencer os meus interlocutores de que Portugal é um país com elevadas desigualdades salariais e que a mobilidade social ascendente é maior na Europa do que na América. Mas ninguém acredita, ou quando muito revelam algum espanto. Eu já aqui escrevi sobre isto (O Espírito das Nações). Mas agora descobri este vídeo que explica tudo muito bem explicadinho. Eu sei que é difícil desconvencer as pessoas do sonho americano que os filmes hollywoodescos trespassam. Mas como diz o autor, quem quiser viver o sonho americano tem de ir viver para a Dinamarca! Pensa nas seguintes questões e depois vê o video. E no fim pensa se a tua percepção das coisas está mais perto ou mais afastada da realidade dos factos.

Onde pensas tu que a mobilidade social ascendente é maior? Nos Estados Unidos da América ou na Europa?

E Portugal, está mais perto do sonho escandinavo ou do sonho americano?
Portugal é ou não um dos países desenvolvidos com maiores desigualdades salariais entre ricos e pobres?
Portugal é ou não um dos países desenvolvidos com maiores problemas sociais?

O crescimento económico só por si traz algum beneficio na qualidade de vida geral dos cidadãos?
Ou é preciso que ao crescimento económico se associe relativa equidade na sua distribuição?

Será que apenas as classes sociais baixas beneficiam da redistribuição dos rendimentos?
Ou será que as classes sociais altas também beneficiam de uma maior equidade, ao contrário do que possa parecer contra-intuitivamente?

O vídeo vai ajudar-te a pensar nestas respostas. Lembra-te apenas que a análise apenas inclui países desenvolvidos.



Se quiserem ver com legendas em português, vejam aqui (pior qualidade).


segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Nós Europeus

Ainda não percebi se o novo presidente eleito dos EUA é assim tão ignóbil se afinal é mais inteligente do que aquilo que poderíamos esperar. Provavelmente será as duas. Depois de irritar a China com um só telefonema para Taiwan, agora quer irritar os Europeus. Nós europeus. Se ninguém percebe por que esse novo presidente prevê assim tão sagazmente a desintegração da UE, eu diria que existem segundas intenções. Esse presidente sempre disse que queria renegociar os acordos de comércio com a China, mas para o fazer tem de adquirir posição para negociação. E que tal um telefonema para Taiwan? Mas mais do que a China, a UE é que é o maior bloco económico mundial responsável por 23,8% do PIB mundial. E só em segundo lugar encontramos os EUA com uma quota de 22,2%. E, provavelmente, sem o Reino Unido a UE passará para o segundo lugar.



Fonte: Eurostat,, http://ec.europa.eu/eurostat/documents/3217494/7589036/KS-EX-16-001-EN-N.pdf/bcacb30c-0be9-4c2e-a06d-4b1daead493e

E uma Europa desintegrada terá menor capacidade de exercer a sua influência nos grandes processos globais, tais como os acordos de protecção das mudanças climáticas, que os EUA nunca gostaram, porque, sinceramente, como eles sempre disseram, não é bom para a economia deles. Mas a Europa é líder incontestável no investimento e na inovação tecnológica ambiental e tem adoptado as mais rigorosas leis de protecção ambiental e de desenvolvimento sustentável. Ora, os EUA, e muito mais esse novo presidente, não gostam muito disso. E, de facto, uma Europa mais fraca terá certamente menor capacidade em exercer influências nos padrões de produção. A juntar a tudo isto a UE exporta mais para os EUA do que importa, o que quer dizer que a balança comercial transatlântica é de saldo positivo para a UE e negativo para os EUA. Ora, não me parece que esse presidente eleito seja muito a favor de um défice para o seu país. Então, que tal taxar os carros alemães fabricados fora dos EUA? Então, e se esse presidente eleito quiser renegociar os acordos comerciais com a UE? Não será melhor enfraquecer primeiro a UE? Não fará sentido incentivar os países europeus a desconfiarem da UE demonstrando que o Reino Unido apesar de sair da UE conseguiu um bom acordo com os EUA? Adicionalmente, sabemos que, muito provavelmente, a Rússia quer desintegrar, pelo menos enfraquecer, a UE, e reconquistar a sua influência a Leste. E se esse presidente eleito nos EUA também jogar com isso?
No meio disto tudo tenho um pressentimento positivo. Toda esta conversa reforça o "nós europeus". Quanto mais os outros nos chamarem de europeus mais tomaremos consciência do "nós europeus". Uma perspectiva exterior de nós europeus reforça também a nossa forma de nos vermos a nós próprios como europeus. E que as maiores ligações que temos é entre nós europeus, e que em quem mais devemos confiar é em nós europeus. Quando esse novo presidente dos EUA foi eleito comentei com algumas pessoas que tudo isto poderia revelar-se uma boa oportunidade para a Europa se distanciar e se tornar independente da protecção dos EUA. E cada vez mais reforço esta ideia, uma oportunidade para nós europeus. Independentemente das nossas diferenças e divergências temos mais em comum do que pensamos. Ainda defendemos um estado social, os EUA não e o Obamacare, um pseudo-projecto de sistema nacional de saúde deverá ser extinto. As mães e os pais não têm nem licença nem subsidio de maternidade/paternidade. Ainda defendemos o ambiente, pelo menos alguma coisa, e os EUA muito menos. A quantidade emitida de CO2 per capita, e de CO2 por unidade de PIB, são nos EUA o dobro da UE! Ou seja, para uma unidade de produção os EUA poluem duas vezes mais! Em 2014 o EPI (Environmental Performance Index) - produzido pela universidade de Yale nos EUA, portanto, calculado nos próprios EUA e longe de suspeitas - mede a performance dos países na sua relação com os assuntos ambientais, concretamente nas políticas de protecção da saúde humana dos factores ambientais nocivos e nas políticas de protecção dos ecossistemas. Numa escala de 0 a 1 em que 0 é a pior performance e 1 a melhor, os EUA apenas obtêm uma pontuação de 0,68, enquanto Portugal obtêm 0,82, Espanha 0,87, a Noruega 0,94, a Austrália 0,93 e o Japão 0,89.


Fonte: Banco Mundial

E do gráfico anterior imaginemos que, na América do Norte, o Canadá apresenta valores inferiores aos EUA, logo, a curva representativa dos EUA está acima da linha laranja!
E se as leis de protecção ambiental avançarem quem tem de momento as melhores tecnologias disponíveis? Os europeus e os japoneses! E a quem todos os outros países terão de comprar? Será menos aos EUA.
Nós europeus. Ainda defendemos a segurança colectiva e a proibição da posse de armas de fogo sem restrição, os EUA não. Temos menos homicídios que os EUA. Não temos tiroteios nas escolas.
Talvez toda esta conversa reforce os nossos laços europeus. Talvez percebamos que a UE só tem que se adaptar e de se alterar mas não precisa de desaparecer. Uma UE mais solidária e mais representativa dos seus cidadãos. Mais democrática e mais igualitária. Não estamos contentes com a Europa mas a verdade é que estamos cá, não estamos do lado de lá. Como diz o ditado, "o que não nos mata torna mais fortes"... a nós europeus.

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Liliana

Pode-se dizer que ainda não estou recomposto da noite de passagem de ano. O facto é que ainda não percebi se tudo é fruto da minha imaginação se real. Estou no limbo. Seja uma alucinação pintada na tela do Universo pelas cores do fogo de artificio, a realidade projetada pelas cores mirabolantes das luzes da festa a simular as cores do fogo de artificio, uma obsessão sentimental recalcada, um simples efeito nostálgico incendiado pelo copos, ou ainda um pouco de tudo, a verdade é que não durmo há duas noites. Já estávamos em 2017. Festejávamos com copos na mão cheios de champanhe, depois de bebidas brancas ou de cerveja. Já abraçávamos os que conhecíamos, os que conhecemos, os que ainda não conhecíamos e mesmo os que nunca chegámos a conhecer sem ser nas fotografias guardadas na máquina do João. Eu tinha ido buscar duas cervejas ao balcão e foi então. Os seus contornos. Os ombros. O cabelo cor de avelã. Pelos ombros. Liso. Solto. Mágico. De perfil. O rosto. Macio. Gentil. Ela. Liliana.  Como disse, talvez a panóplia de luzes a imitar a paisagem do universo me tenha enganado. Mas. Era ela, a grande paixão mas também todos os problemas da minha adolescência. Só podia ser ela. Ainda a segui para a descobrir mas um toque no braço, por um qualquer  homem que dançava tal e qual como os jogadores de rugby da Nova Zelândia mas que tinha cara de jogador de xadrez, fez-me entornar a cerveja de um copo  e nessa distracção perdi-a. Na verdade, a Liliana é a minha grande paixão platónica. Essas paixões imaginárias da adolescência que nada melhor são do que  assim permanecerem, ilusões que nos mantêm a esperança de que afinal as mulheres não são todas iguais.
Num dia ameno de primavera quando ainda andávamos no secundário, num dos intervalos entre aulas aborrecidas de matemática e de história, ainda lhe acenei com a mão, como a pedir-lhe autorização para a conhecer. Ela viu. Penso que sorriu, não sei. Sei que baixou um bocadinho a cabeça e depois olhou para o lado. Claro que eu fiquei parvo e estático. E acho que ela ainda voltou a olhar para mim e depois começou a falar com uma amiga. Eu devo ter continuado parvo e estático a olhá-la até ao toque de entrada. No mesmo dia, nos corredores do principal edifico da escola, passámos perto um do outro, em direcções opostas. Era um bom momento para os nossos olhos se cruzarem e para eu ganhar confiança para numa próxima ocasião meter conversa com ela. Em vez disso os macaquinhos soltaram-se do sótão  e eu comecei a sentir cambalhotas no estômago e as pernas a tremer e depois.... depois nem me lembro. Era uma rapariga discreta mas presente e que tinha um sorriso bonito, daqueles que sorriem com os lábios, os dentes, os olhos, a face e os cabelos. Não consigo explicar o que me atraía nela mas gosto de pensar que o que me fascinava era o seu brilho cósmico. E como ficar indiferente a essa imensidão? 
Depois da escola secundária fomos para a Universidade. Nunca soube para onde ela foi estudar. Na altura, a Inês disse-me que pensava que ela tinha ido para Braga. Eu estava em Faro! Mais longe seria difícil. Mas isso também não interessa porque mesmo que pudesse provavelmente não ganharia mais coragem do que aquele dia em que lhe acenei um adeus na nossa escola secundária. Durante os dois primeiros anos da Universidade fui todos os fins de semana à nossa terra para ver se a via, o que só aconteceu uma única vez, à noite, num bar, mas ela pareceu-me triste. Não lhe descobri o brilho. Em vez, pareceu-me uma só  partícula cósmica num recanto escuro e longínquo do Universo, o que me criou maior fascínio! Tudo! Assim ela podia ser tudo, uma imensidão de lugares por descobrir e por desvendar, de mistérios insondáveis, de aventuras vernianas! Mas também podia ser apenas um lugar pequeno do Universo, único, de contornos e sentimentos singulares como toda uma energia concentrada num pequeno ponto! Ela era a minha princesa Leia! Nessa noite disse para mim próprio que iria conhece-la. Respirei fundo três vezes. Disse. É agora! Dei um passo. Dei outro passo. E a Liliana levantou-se, acenou um adeus aos amigos que acompanhava e saiu de repente! E eu... nem me lembro. Desde essa noite que nunca mais a tinha visto, a não ser nesta passagem de ano. Agora sei que os próprios pais se mudaram quando fomos para a Universidade. Mas nunca pensei que após tantos anos, após duas namoradas e um casamento falhado, ainda vivesse assombrado, ou iluminado?, pelo brilho cósmico da Liliana. Finda esta estória, desejo a todos um bom ano novo! Um bom ano de 2017! Será que por alguma razão  imperscrutável do Universo a Liliana lê o meu blogue? Liliana?

Pesquisar neste blogue

Seguir por Email

Contador

Uma menina está perdida no seu século à procura do pai

Posso dizer que em termos de leituras termino muito bem o ano . Melhor seria difícil, muito difícil. A primeira de duas leituras: Gonçal...

Popular Posts

Blog Archive

Acerca de mim

Simplesmente, alguém que gosta de ler e escrever...